Grupos invasores promovem violência e incendeiam casas Tupinambá na Bahia


Tupinmbás sofrem ataques no sul da Bahia (foto:cimi)

Tupinmbás sofrem ataques no sul da Bahia (foto:cimi)

Indígenas Tupinambá do sul da Bahia estão sendo alvo de atos violentos promovidos por grupos ligados aos invasores da terra tradicional. Entre a última sexta-feira (23) e o final de semana, indígenas foram roubados e oito casas foram queimadas. O atendimento à saúde indígena está suspenso.

Neste sábado (24), oito casas identificadas como moradias de Tupinambá foram incendiadas, em Buerarema, sob o olhar passivo da polícia. A orientação é para nenhum Tupinambá circular pela cidade. Comerciantes também não podem vender aos indígenas. Quem desrespeitou teve o estabelecimento destruído. Moradores ligados aos Tupinambá foram agredidos.

As informações são obtidas por fontes indígenas e textos publicados por blogs ligados aos fazendeiros. Em nota, o Sindicato dos Jornalistas da Bahia afirma que a imprensa está praticamente proibida pelos vândalos de trabalhar na região. A onda de violência começou último dia 16, depois de 40 retomadas de terras realizadas pelos Tupinambá na Serra do Padeiro, parte da terra identificada como tradicional.

O processo de identificação do Território Indígena (TI) teve início em 2004, como resultado de intensa pressão por parte dos indígenas. Cinco anos depois, a Fundação Nacional do Índio (Funai) aprovou o relatório circunstanciado, que delimitou área em cerca de 47 mil hectares, estendendo-se por porções dos municípios de Buerarema, Ilhéus e Una.

A regularização da TI já dura nove anos. No momento,aguarda-se a assinatura da portaria declaratória pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que o processo encaminhe-se para as etapas finais.

Em nota, acadêmicos da Bahia afirmaram que suas pesquisas “demonstram que a tradicionalidade da terra Tupinambá é inquestionável”. Eles também afirmam que os prazos legais para a conclusão da demarcação, estabelecidos por decreto, vêm sendo sistematicamente violados. (pulsar/brasildefato)

 

Faça um comentário

− 2 = 1