Cimi repudia declarações da ministra Kátia Abreu


(foto: Pablo Valadares / Agência Senado)

(foto: Pablo Valadares / Agência Senado)

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulgou, na última segunda-feira (5), uma nota em que manifesta repúdio às declarações da nova ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu.

Abreu disse, em entrevista publicada pelo jornal Folha de S. Paulo na última segunda-feira (5), que não vai tolerar invasões de terra e que não existem latifúndios no Brasil. A ministra também disparou contra os índios, afirmando que, se a presidente Dilma entender que os pataxós estão com a terra pequena, que “compre um pedaço de terra para eles e dá”.

Segundo a nota, a entrevista demonstra que Kátia Abreu está no “governo Dilma para pisotear os direitos daqueles que lutam pela distribuição equânime da terra, pelos direitos dos povos indígenas, quilombolas, comunidades tradicionais, camponeses e pelo meio ambiente.” E acrescenta que a ministra assumiu a pasta “para defender o latifúndio e os privilégios que o governo tem concedido ao agronegócio“.

Dados oficiais divulgados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) contrariam as afirmações de Kátia Abreu, mostrando que, entre 2003 e 2010, o número de latifúndios no Brasil aumento 48,4 por cento.

Ainda de acordo com o Incra, em 2003, 112 mil proprietários concentravam mais de 214 mil hectares de terra no país. Em 2010, o número subiu e 130 mil proprietários detinham mais de 318 mil hectares. Além disso, cresceu mais de 70 por cento os latifúndios não produtivos nesse período. (pulsar/ cimi/ brasil de fato)

Faça um comentário

51 − 47 =