MAB defende energia como direito dos povos; governo promete política para atingidos por barragens


Após pressão, governo promete política nacional de atingidos. (foto: MAB/reprod.)

Após pressão, governo promete política nacional de atingidos. (foto: MAB/reprod.)

O Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) reúne mais de 3 mil pessoas em São Paulo até esta quinta-feira (5). O ministro Gilberto Carvalho, que compareceu ao evento ontem, afirmou que uma política nacional para o setor será assinada ainda neste ano.

À frente da Secretaria Geral da Presidência, disse que falava em nome de Dilma Rousseff. Segundo ele, a presidenta reconhece a divida social, econômica e moral do Estado com os atingidos por barragens. As informações são do site do MAB.

De acordo com o Movimento, a criação dessa política específica é uma reivindicação constante e histórica. Os atingidos por barragens reclamam que, apesar das hidrelétricas serem a forma mais utilizada para a geração de energia no país, ainda não existe um marco legal que assegure os direitos dos impactados por elas.

Gilberto Cervinski, da coordenação nacional do MAB, apresentou os principais desafios para a construção de um modelo energético que considere a energia como um direito fundamental, e não como mercadoria. Entre eles, a urgente luta unitária por soberania e contra as transnacionais.

Além disso, o militante denunciou as altas tarifas de energia. Cervinski afirmou que “os brasileiros pagam pelo megawatt consumido nove vezes mais que as grandes empresas”. Para ele, os rios brasileiros estão na mira por serem fonte de lucros com obras financiadas com dinheiro público via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Diante dessa realidade, Cervinski que “é preciso reconhecer que o MAB não avança na luta sozinho”, sendo necessário reunir outros setores em torno de um Projeto Energético Popular. O Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) começou na última segunda-feira. O evento reúne militantes de 17 estados do Brasil, além de entidades parceiras internacionais. (pulsar)

Faça um comentário

86 + = 90