Decisão sobre Célio de Barros fica pra sexta-feira; manifestantes se reúnem agora em frente à ALERJ


Idosos ex-usuários dos equipamentos esportivos do Maracanã se reúnem em frente à ALERJ

Idosos ex-usuários dos equipamentos esportivos do Maracanã se reúnem em frente à ALERJ (foto: Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas)

A reunião entre o governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, membros da base do governo e o presidente da Federação de Atletismo do Rio de Janeiro (FARJ), Carlos Lancetta, terminou sem decisão sobre o futuro do Estádio de Atletismo Célio de Barros, no Complexo do Maracanã. Na sexta-feira, uma nova reunião que contará com a presença do prefeito do Rio, Eduardo Paes, e com a concessionária Maracanã S/A deverá selar o destino do estádio.

Lancetta defendeu a permanência e a reforma do Célio de Barros, mas o Secretário de Esporte e Lazer André Lazaroni e o presidente da Comissão de Esporte e Lazer da ALERJ e ex-presidente da SUDERJ Chiquinho da Mangueira tentaram convencê-lo a aceitar a proposta do governo de construir um novo centro de treinamento de atletismo ao lado da Quinta da Boa Vista. O presidente da FARJ, no entanto, se manteve firme: a não-demolição do Célio de Barros é inegociável.

Ativistas contrários à intenção de demolição das construções do entorno do Maracanã se reúnem neste momento em frente à Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ) para protestar contra o projeto de privatização. Além de atletas e usuários do Célio de Barros e do Parque Aquático Julio Delamare, cuja demolição teve que ser cancelada após pressão dos movimentos sociais , estão presentes professores e pais de alunos da Escola Municipal Friedenreich, também ameaçada de demolição, e representantes da Defensoria Pública da União (DPU) e de organizações da sociedade civil. (pulsar)

Faça um comentário

14 − 10 =