Mesmo com lei, São Paulo não reduz poluição atmosférica


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

​O índice de poluição atmosférica aumentou 4,4% nos últimos cinco anos em na cidade de São Paulo e não alcançou meta estabelecida em 2010 pela Lei Municipal de Mudança Climática. A lei pretendia diminuir em 30% a emissão de gases poluentes até 2012. Os dados foram apresentados na última terça-feira (20), durante debate promovido pela Rede Nossa São Paulo sobre os cinco anos de vigência da lei.

De acordo com Paulo Saldiva, pesquisador do laboratório de poluição atmosférica da Universidade de São Paulo (USP), quatro mil paulistanos morrem precocemente todos os anos devido à poluição. Segundo Saldiva, a estimativa é de que atualmente na capital paulista um em cada cinco infartos sejam atribuíveis à poluição, além de 16% dos cânceres de pulmão e cerca de 12% das internações respiratórias.

Para o especialista, é preciso melhorar o transporte público em São Paulo para diminuir a emissão de gases poluentes dos automóveis particulares. A mobilidade urbana representa hoje 60% das emissões na metrópole.

Segundo o secretário de Serviços Urbanos de São Paulo, Simão Pedro, a prefeitura está investindo em reciclagem parar combater a emissão de gases por resíduos. (pulsar/rba)

Faça um comentário

+ 42 = 47