Parlamentares criticam Trump por retirar EUA de acordo nuclear com Irã


Donald J. Trump, Presidente dos Estados Unidos da América, falando durante a Sessão "Discurso especial de Donald J. Trump, Presidente dos Estados Unidos da América" na Reunião Anual 2018 do Fórum Econômico Mundial em Davos, 26 de janeiro de 2018 Copyright do Fórum Econômico Mundial / Faruk Pinjo

Donald J. Trump, Presidente dos Estados Unidos da América na Reunião Anual 2018 do Fórum Econômico Mundial em Davos, 26 de janeiro de 2018
(foto:Fórum Econômico Mundial / Faruk Pinjo)

Internamente, a decisão de Donald Trump sobre retirar os Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã causou reações das principais lideranças dos partidos Republicano e Democrata, sobretudo no Congresso.

A maioria republicana apontou erros que precisavam ser corrigidos, mas vários líderes viram de forma crítica a ruptura com países aliados.

Os democratas criticaram, seguindo a linha do ex-presidente Barack Obama, que na última terça-feira (8) chama a posição assumida por Trump de um “grande erro”.

Os republicanos que elogiaram a decisão, destacaram que o acordo de 2015 não era sólido, seguindo argumentos de Trump sobre as falhas do pacto em impedir que o Irã apoie grupos terroristas no Oriente Médio.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, afirmou que o pacto “foi falho desde o início” e que espera trabalhar para melhorá-lo junto ao presidente Trump.

O senador republicano, Jeff Flake, do Arizona, afirmou que permitir que o Irã contorne as restrições impostas a seu programa nuclear “seria imprudente”, mas que a saída do acordo foi uma decisão errada.

Entre os líderes democratas a reação foi mais crítica, até mesmo entre os políticos que, em 2015, foram contrários ao pacto, como o atual líder da Minoria no Senado, Chuck Schumer.

Horas depois do anúncio da decisão, pela Casa Branca, ele afirmou que “Trump parece ter um slogan, mas nenhum plano”, afirmou o líder.

O ex-candidato presidencial democrata, senador Bernie Sanders, divulgou um vídeo em suas redes sociais em que diz que o discurso do presidente Trump sobre a saída do país do acordo “foi a mais recente de uma série de decisões imprudentes que aproximam o país do conflito.”

Sanders afirmou que a decisão de “reimpor sanções” nucleares ao Irã e retirando-se do Plano de Ação Integral Conjunto [Donald Trump] colocou a nação em um caminho perigoso.

Para o senador, a decisão de Trump isolou os Estados Unidos de seus mais importantes aliados europeus – França, Alemanha e Reino Unido – que continuam apoiando o acordo e têm sistematicamente afirmado que é de seus próprios interesses de segurança nacional vê-lo confirmado. (pulsar)

*Radioagência Nacional

Faça um comentário

− 3 = 5