Violência policial marca protesto contra a Copa em São Paulo


(foto: Nelson Almeida)

(foto: Nelson Almeida)

No último sábado (22) foi realizado mais um protesto contra a Copa do Mundo em São Paulo. Desta vez, foram 260 manifestantes detidos e vários depoimentos a respeito da violência por parte dos policiais. Muitos jornalistas relataram agressões.

Convocado pelas redes sociais, o ato chamado de “Não vai ter Copa” se concentrou na Praça da República, em frente à Secretaria de Educação do Estado e reuniu milhares de pessoas. Entre as reivindicações os manifestantes exigiam 10% do PIB para a educação, valorização dos profissionais e garantia de vagas públicas nas creches e universidades.

Pela primeira vez a Polícia Militar paulista utilizou a sua “Tropa do Braço”, um grupo de 140 agentes de repressão.

O coletivo “Se não tiver direitos, não vai ter Copa” se manifestou em sua página no Facebook e reforçou que a manifestação seguia pacífica até um “efetivo desproporcional” da PM se lançar contra os manifestantes.

Após o fim do protesto o coronel da Polícia Militar de São Paulo, Celso Luiz Pinheiro, pediu desculpas pelos episódios de agressões a jornalistas, mas considerou a operação um sucesso. (pulsar)

Faça um comentário

− 1 = 3