Vale e INSS fazem ‘jogo de empurra’ com vítimas de Brumadinho


(foto: reprodução)

As famílias de vítimas do crime da Vale, em Brumadinho, Minas Gerais, cujos corpos ainda não foram encontrados, afirmam que não estão recebendo o pagamento acordado entre a mineradora e o Tribunal Regional do Trabalho por não conseguirem confirmar o óbito por meio de certidão. Assinado no dia 20 de fevereiro, o acordo estabelece que a Vale passe o salário dos desaparecidos para os dependentes até a confirmação da morte ou quando as buscas fossem encerradas.

“O que você tem é um descompromisso total, uma falta de respeito por nós, familiares, que perdemos as nossas joias”, lamenta a professora Andreza Rodrigues em entrevista à Rede Minas. Há mais de 50 dias aguardando por notícias do seu único filho, o engenheiro Bruno, que trabalhava há mais de um ano para a Vale e desde o rompimento da barragem está entre os 101 desaparecidos, a professora, além de lidar com o luto, precisa enfrentar o entrave imposto pela burocracia.

A mineradora alega que precisa de uma comprovação dos dependentes emitida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para fazer os pagamentos, enquanto o INSS diz já ter enviado para o Tribunal Regional do Trabalho os únicos dados que tem com relação às vítimas que já tiveram a morte confirmada. Em nota, o órgão afirma ainda que não tem informações sobre os demais atingidos. (pulsar/rba)

Faça um comentário

38 − = 32