Tribunal de contas da União lança relatório sobre Olimpíadas 2016 e prevê gasto público de R$ 12 bilhões


Ativistas criticam gastos públicos com jogos Olímpicos (foto: Tânia Rego/Abr)

Ativistas criticam gastos públicos com jogos Olímpicos (foto: Tânia Rego/Abr)

O Tribunal de Contas da União (TCU) lançou no início dessa semana o relatório “TCU e as Olimpíadas de 2016”. O Portal da Transparência do governo federal informa que os gastos públicos nos Jogos Olímpicos serão de 12 bilhões de reais.

Desse montante, 94,91 % são investimentos totalmente públicos e 5.09% vêm do Comitê Olímpico Rio 2016 (COJO). Apesar do valor previsto ser menor que o gasto nas Olimpíadas de Londres em 2012, correspondentes a quase 33 bilhões de reais, pesquisadores e ativistas criticam o fato de grande parte dos gastos públicos em megaeventos esportivos não representarem legados concretos. Além disso, denunciam o uso dos recursos públicos em investimentos privados.

A publicação do relatório procura favorecer o acesso do público às informações sobre fiscalização de obras e ações do governo para os Jogos que vão acontecer no Rio de Janeiro. Até o final de agosto de 2013, não haviam sido publicados os documentos que estipulam as obrigações do governo federal, de cada município e Estado e do Comitê Organizador Rio 2016, principais agentes da organização dos Jogos.

Apesar da falta de classificação definitiva dos projetos essenciais e das responsabilidades, as áreas para realização dos Jogos estão definidas. Serão quatro núcleos: Copacabana, Barra da Tijuca, Deodoro e Maracanã.

As decisões do TCU serão consolidadas periodicamente pelo ministro Aroldo Cedraz, responsável por coordenar as ações de controle dos Jogos Olímpicos. O plano de fiscalização prevê avaliações do cumprimento do cronograma de execução das obras; legalidade das contratações; eficácia do plano das ações de segurança pública; formação e treinamento de atletas de alto rendimento e obra de mobilidade urbana. (pulsar)

 

Faça um comentário

− 4 = 1