Temer corta bolsas de estudo de indígenas e quilombolas


(foto: Felipe Michalski/UFSM )

(foto: Felipe Michalski/UFSM)

Criado em 2013 pelo governo da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT), o Programa de Bolsa Permanência (PBP) está ameaçado desde o início de 2018. As bolsas concedidas pelo programa visam garantir condições estruturais para que indígenas e quilombolas frequentem a universidade.

Desde sua criação, o programa garantiu o acesso à educação para mais de 18 mil estudantes de aldeias e quilombos, por meio de auxílio no valor de 900 reais para custear moradia e transporte.

Agora, com os cortes já sendo realizados pelo governo federal, lideranças indígenas calculam que entre dois mil e 500 e cinco mil estudantes que já cursam universidades federais poderão ser prejudicados. Além disso, o Ministério da Educação informou ao jornal Folha de S.Paulo que pretende disponibilizar apenas 800 novas bolsas para todo o Brasil.

De acordo com Cleber Buzatto, secretário executivo do Conselho Indígena Missionário (Cimi), o governo pediu que os próprios indígenas e quilombolas definissem quem seriam os beneficiários das bolsas. Os grupos se negaram a fazer essa escolha, já que a demanda é bem maior.

Dinamam Tuxá, coordenador executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), enxerga os cortes como mais um gesto do governo federal que causa o enfraquecimento do povo indígena e desmontes em outras áreas como saúde, moradia e acesso à terra.

Uma grande mobilização está sendo articulada em Brasília entre os dias 18 e 22 de junho para cobrar a permanência das bolsas de estudo. Além disso, segundo Dinamam, os movimentos vão procurar medidas jurídicas para pressionar o governo. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

34 − = 31