Taxar fortunas de bilionários em 0,5% incluiria 262 milhões de crianças na escola


(Foto: Pablo Tosco/Oxfam)

Enquanto a renda dos bilionários do mundo cresceu em 900 bilhões de dólares em 2018, cerca de três bilhões e 800 mil pessoas – a metade mais pobre do planeta – tiveram sua renda reduzida em 11 por cento. A concentração de riqueza é tanta que uma taxa extra de apenas 0,5 por cento sobre as fortunas desses bilionários, que fazem parte do um por cento mais rico do mundo, seria o suficiente para garantir o direito à educação de 262 milhões de crianças.

As informações são do relatório “Bem público ou riqueza privada?”, produzido pela Oxfam, organização global de combate à pobreza e à desigualdade, e apresentado na última segunda-feira (21), no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.

O documento também aponta que a pequena taxa a mais também seria o suficiente para oferecer serviços de saúde que poderiam salvar a vida de mais de três milhões de pessoas. O relatório ainda mostra que o número de bilionários dobrou desde a crise financeira de 2008 e que, atualmente, corporações e cidadãos pagam menos impostos do que nas décadas anteriores.

A Oxfam é contundente ao afirmar que os governos contribuem para o aprofundamento da desigualdade ao não tributar grandes fortunas e corporações de forma apropriada.

O Brasil é um grande exemplo dessa disparidade social. De acordo com estudo feito pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) e pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), aproximadamente 50 por cento da carga tributária brasileira incide sobre o consumo, ou seja, corresponde às taxas embutidas no preço de qualquer mercadoria. No entanto, taxas sobre grandes fortunas, patrimônio e herança são baixas, ou seja, a tributação onerosa aos mais pobres aprofunda a desigualdade social.

Segundo a Oxfam, o Brasil tinha 42 bilionários em 2018, com riqueza total de cerca de 176 bilhões de dólares.

Outro relatório da organização, “País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras”, divulgado em novembro do ano passado, mostrou que a redução da desigualdade de renda no país parou pela primeira vez em quinze anos. Pelo terceiro ano consecutivo, houve um crescimento no número de pessoas pobres – que sobrevivem com uma renda de um dólar e 90 centavos por dia, pouco mais de sete reais, de acordo com critérios do Banco Mundial. Segundo o documento, a tendência foi iniciada em 2015 e se aprofundou com a crise econômica e com os ajustes fiscais feitos pelo governo Temer. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

9 + 1 =