Com Temer, Brasil importa 53% mais gasolina e 63% mais diesel


(foto: Marcelo Casal /Agência Brasil)

(foto: Marcelo Casal /Agência Brasil)

O aumento expressivo das importações de derivados de petróleo sob o governo de Michel Temer (MDB) tem sido o foco das críticas da oposição ao papel do governo no processo que levou às greves de caminhoneiros por todo o país.

A compra de gasolina junto a multinacionais, por exemplo, saltou 53 por cento em 2017. Já a importação de diesel subiu 63,6 por cento no mesmo período. A participação dos Estados Unidos é central nesse processo: entre 2015 e 2017, as importações de diesel norte-americano dobraram, passando de 41 para 82 por cento do total importado.

Ao mesmo tempo, a Petrobras tem batido recordes de exportação de petróleo cru. No ano passado, foram 400 milhões de barris vendidos para serem refinados fora do país.

A junção desses movimentos –mais importação de derivados refinados e mais exportação de petróleo cru– é responsável por uma ociosidade de pelo menos 25 por cento da capacidade instalada nas refinarias brasileiras.

E a política de preços, lançada em julho de 2017, provocou impactos na cadeia de venda dos diferentes combustíveis. O preço da gasolina nas refinarias, por exemplo, subiu 57 por cento. Já o diesel aumentou 57,8 por cento.

Os dados são de um relatório preparado pela liderança do Partido dos Trabalhadores no Senado a partir de fontes públicas, e que tem subsidiado os parlamentares no embate com os governistas. (pulsar/brasil de fato)

 

 

Faça um comentário

8 + 2 =