Sem-terra inauguram agroindústria para processamento de alimentos agroecológicos no RS


Unidade de recebimento, secagem e armazenagem de grãos e agroindústria de processamento de vegetais em Hulha Negra (RS) ( foto: Letícia Stasiak)

Unidade de recebimento, secagem e armazenagem de grãos e agroindústria de processamento de vegetais em Hulha Negra (RS) ( foto: Letícia Stasiak)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e a Cooperativa de Produção, Trabalho e Integração (Coptil), inauguraram no último sábado (19), no Assentamento Conquista da Fronteira, no município de Hulha Negra, no Rio Grande do Sul, uma unidade de recebimento, secagem e armazenagem de grãos e uma agroindústria de processamento de vegetais.

A unidade tem capacidade para receber 32 toneladas por hora e armazenar 30 mil sacas de grãos. A prioridade será o armazenamento de arroz, milho e trigo para processamento, mas a estrutura também vai armazenar aveia, azevém, linhaça e sorgo.

O diretor administrativo da Coptil, Emerson Francisco Capelesso, conta que esta é a primeira estrutura deste tipo própria da cooperativa, e que vai gerar vários benefícios, além de redução de custos. De acordo com ele, a estrutura vai ajudar a consolidar uma matriz de produção agropecuária diversificada nos assentamentos da Reforma Agrária. Além disso, tem uma importância do ponto de vista da renda, da inclusão dos jovens e da participação das mulheres.

Já a agroindústria vegetal vai produzir alimentos minimamente processados, entre eles doces, conservas, saladas e aipim embalados à vácuo e batata em palito congelada. O objetivo é comercializá-los no mercado tradicional e institucional, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

94 − 93 =