Sem avanços, dois mil e 500 trabalhadores rurais permanecem mobilizados no Pará


(imagem: reprodução)

(imagem: reprodução)

Após o fracasso da reunião entre os movimentos sociais do campo com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Marabá e o Instituto de Terras do Pará (Iterpa), realizada na última quarta-feira (13), mais de dois mil e 500 trabalhadores rurais voltaram às margens da BR 155, em Eldorado dos Carajás. A reunião terminou sem maiores avanços em relação à pauta apresentada pelos trabalhadores rurais.

As mobilizações em defesa da Reforma Agrária iniciaram na manhã da última terça-feira (11), quando cerca de mil e 500 pessoas ligadas aos movimentos sociais do campo trancaram a rodovia BR-155, em Eldorado dos Carajás, por mais de 20 horas. A pista tinha sido liberada na manhã desta quarta-feira, após ter sido marcada a reunião com os órgãos fundiários. Entretanto, os trabalhadores rurais seguem exigindo ações concretas dos órgãos públicos na desapropriação de terras e políticas públicas efetivas em defesa da agricultura camponesa.

Outras reuniões foram marcadas para a próxima quarta-feira (20) na sede do Iterpa, em Belém, para tratar questões judiciais das áreas do estado. Também foram marcadas conversas com o Incra para discutir a pauta dos assentamentos da região. Porém, para Francisco Moura, da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o que os trabalhadores querem são ações efetivas. (pulsar/página do MST)

Faça um comentário

− 1 = 4