Rosa Weber será relatora de ação no STF que pede descriminalização do aborto


Ministra Rosa Weber sorteada para relatar ação em que se defende a descriminalização do aborto (foto:  José Cruz/Agência Brasil)

Ministra Rosa Weber sorteada para relatar ação em que se defende a descriminalização do aborto (foto: José Cruz/Agência Brasil)

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi sorteada na última quarta-feira (15) como relatora da ação protocolada neste mês pelo PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) e pelo Instituto Anis – organização não governamental (ONG) de defesa dos direitos das mulheres -, em que buscam descriminalizar o aborto até a décima segunda semana de gestação, em qualquer situação.

No Brasil, o aborto é permitido somente nos casos de anencefalia do feto, de estupro e quando a gestação representa um risco para a vida da mulher.

Para todas as outras situações, valem os artigos 124 e 126 do Código Penal, datado da década de 40, segundo os quais provocar o aborto em si mesma, com ou sem o auxílio de outra pessoa, configura crime com pena de um a três anos de prisão. Quem provoca o aborto em uma gestante está sujeito a uma pena de um a quatro anos de prisão.

Em novembro do ano passado, Rosa Weber se manifestou favorável à descriminalização do aborto para qualquer caso nos três primeiros meses de gestação. No julgamento de um habeas corpus na Primeira Turma do STF, colegiado formado por cinco dos 11 ministros da Corte, ela seguiu o voto do ministro Luís Roberto Barroso. (pulsar)

*Informação da Agência Brasil

Faça um comentário

+ 63 = 72