Relatório da CIA: Geisel manteve e centralizou ‘política de execução sumária de subversivos’ de Médici


Geisel e Figueiredo, em 1974: então presidente continuou política de execução sumária (foto: reprodução)

Geisel e Figueiredo, em 1974: então presidente continuou política de execução sumária (foto: reprodução)

O ex-presidente do Brasil Ernesto Geisel, que governou o país entre 1974 e 1979, autorizou que o Centro de Inteligência do Exército (CIE) desse continuidade à “política de execuções sumárias” adotadas durante o governo de Emílio Garrastazu Médici, centralizando a coordenação das ações no Palácio do Planalto, via Serviço Nacional de Informações (SNI). A informação foi divulgada em um memorando da CIA recentemente tornado público.

O documento foi encontrado pelo pelo professor de Relações Internacionais da FGV Matias Spektor. O relatório, enviado em abril de 1974 por William Egan Colbim, diretor da CIA entre 1973 e 1976, para o então secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, descreve o encontro entre Geisel, que havia acabado de assumir a presidência (em 15.mar.1974), os generais Milton Tavares de Souza e Confúcio Danton de Paula Avelino – respectivamente o ex-chefe e o novo chefe do CIE–, e o general João Baptista Figueiredo, então chefe do SNI, que mais tarde também se tornaria presidente.

Durante a reunião, segundo o memorando, o general Milton expôs o trabalho feito pelo CIE durante o governo Médici, destacando os métodos adotados para conter o que chamou de “ameaça subversiva”, em referência aos grupos de resistência política que atuaram no Brasil durante a ditadura militar.

O grupo informa que cerca de 104 pessoas consideradas subversivas haviam sido executadas sumariamente pelo CIE durante o último ano de administração Médici. Milton e Figueiredo advertem a Geisel que essa política “deve ter continuidade” e pedem sua permissão. Segundo o documento, Geisel afirma que a medida possuía “aspectos potencialmente prejudiciais” e pede um fim de semana para refletir.

Em primeiro de abril, Geisel concede permissão para continuar com as execuções, mas pediu que “apenas subversivos perigosos” fossem mortos. Além disso, Geisel afirmou que os assassinatos só deveriam ocorrer após Figueiredo aprovar as execuções.

Em nota, o Exército  disse que documentos secretos no Brasil referentes à época foram destruídos, “de acordo com as normas vigentes”. O memorando completo pode ser visto, em inglês, no site do Departamento de Estado dos EUA. (pulsar/opera mundi)

Faça um comentário

+ 67 = 70