Relatório “Conflitos no Campo Brasil” aponta aumento das tentativas de assassinato


(charge: Latuff)

(charge: Latuff)

Na próxima segunda-feira (13), a Comissão Pastoral da Terra (CPT) lança sua publicação anual, Conflitos no Campo Brasil 2014, em Brasília. Esta é a trigésima edição do relatório que reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores campo, incluindo indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais.

O relatório de 2014 destaca o número de assassinatos em conflitos no campo, 36, dois a mais que no ano anterior, quando foi registrado o assassinato de 34 pessoas. O que chama a atenção em 2014 é que, diferentemente dos anos anteriores, em que se destacavam entre os assassinados indígenas e quilombolas, o alvo principal em 2014 foram sem-terra, assentados e posseiros.

Porém, o maior crescimento foi do número de tentativas de assassinato, chegando a 273 por cento. Passaram de 15 em 2013, para 56 em 2014.

A Comissão comemora em 2014 seus 40 anos de criação e 30 anos da publicação Conflitos no Campo Brasil, único registro  no país dos casos de conflitos no meio rural. Em 30 anos da publicação, a CPT registrou perto de 30 mil conflitos no campo, envolvendo cerca de  20 milhões pessoas. (pulsar/combate racismo ambiental)

Faça um comentário

52 − 51 =