Rejeição a Temer aumenta para 77%. Aprovação é de 3%, aponta CNI/Ibope


(foto: Lula Marques / Agência PT)

(foto: Lula Marques / Agência PT)

Nova edição da pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Ibope aponta que 77 por cento da população considera o governo de Michel Temer ruim ou péssimo. A taxa de aprovação ficou em apenas três por cento, que acham o governo ótimo ou bom. Segundo o levantamento, 89 por cento não aprovam a maneira de Temer governar e 92 por cento disseram não confiar no atual presidente da República.

Dos entrevistados, 16 por cento consideram o governo regular e outros três por cento disseram não saber ou não responderam.

O resultado vem em momento delicado, em que Temer se prepara para enfrentar a votação da denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça na Câmara e enfrenta divisões na base aliada do Congresso. Revela ainda que, apesar dos discursos de recuperação da economia, o prejuízo sentido pelos brasileiros com as medidas do governo são grandes.

Em março de 2016, quando o governo de Dilma Rousseff estava em seu momento de mais forte bombardeio da imprensa e do Congresso, a presidenta que acabaria deposta tinha dez por cento de aprovação, e seu governo era rejeitado por 69 por cento.

O governo Temer é pior que o de Dilma para 59 por cento dos ouvidos pela atual pesquisa CNI/Ibope (eram 52 por cento na pesquisa do mês de julho).

A pesquisa tem nível de confiança da ordem de 95 por cento – levando-se em conta uma margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Temer pode estar, portanto, a um ponto percentual de não ser aprovado por ninguém.

O gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI, Renato Fonseca, considera que além da crise econômica e do desemprego, os dados sugerem que a discussão sobre exploração dos minérios na Amazônia ajudou a piorar a avaliação do governo. (pulsar/rba)

Faça um comentário

+ 71 = 77