Privatização da BR Distribuidora consolida desmonte da Petrobras


(foto: reprodução)

A subsidiária de postos de combustíveis BR Distribuidora foi privatizada na última terça-feira (23), em mais uma medida de desmonte da Petrobrás pelo governo federal. A petrolífera, que detinha 71,25 por ceno das ações, vendeu 35 por cento por nove bilhões e 600 milhões de reais. Agora, a distribuidora possui mais capital privado que estatal.

William Nozaki, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), avalia que a perda do controle acionário da BR tem impacto simbólico e material.

A subsidiária é uma peça fundamental para a distribuição de combustíveis e permitia que a Petrobras atuasse de maneira integrada em toda a cadeia produtiva de óleo e gás. Por isso, a venda representa também o desmantelamento da marca que consolidou o símbolo da Petrobras no imaginário popular.

“O desmonte desse elo é o desmonte de uma empresa petrolífera que atuava desde a produção até a relação com o consumidor final”, explica.

Com a concretização do negócio, segundo o pesquisador, outros atores passam a se inserir na cadeia produtiva da Petrobras. O próximo passo na estratégia de desmonte, para Nozaki, é a venda de refinarias.

“Muito provavelmente as empresas que entrarem nesse segmento vão também se colocar no mercado de distribuição e revenda. Essa estratégia de perda de controle da Petrobras pode acelerar esse processo”, analisa.

Nozaki ressalta que a venda faz parte de uma estratégia em curso desde o governo Temer (MDB), que pretende transformar a Petrobras em uma empresa apenas exploradora e produtora de petróleo no mar. Isso vem acontecendo por meio da retirada da estatal de outros segmentos, para que eles sejam abertos para atores privados e internacionais. Estes, então, passam a se apropriar dos ganhos propiciados pelos avanços do mercado petrolífero brasileiro desde a descoberta do pré-sal.

Com o desmonte da estrutura integrada da Petrobras, a soberania do país também é impactada. “Ao desmontar um pedaço da Petrobras que estabelece relação direta com o consumidor final, ela perde força de mercado e capacidade de atuação na gestão da segurança energética nacional. É mais uma iniciativa que vai na contramão da construção de um projeto de desenvolvimento de nação”, afirma o pesquisador.

Até 2017, a petrolífera detinha 100 por cento das ações da BR, o que a tornava completamente estatal. A subsidiária tem uma rede de 7.703 postos de gasolina e 95 unidades operacionais, e estava presente em 99 aeroportos. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

− 3 = 5