Presidente do Tribunal Supremo do Uruguai considerou uma “boa ideia” o projeto de legalizar a maconha no país


Juiz uruguaio defende uso terapêutico da maconha para ajudar viciados em crack (foto: cannabis-bigbuddis)

Jorge Ruibal Pino referiu-se ao projeto promovido pelo governo uruguaio de estatizar a produção e venda de maconha. Ele disse que “a intenção não é ruim e nem foi inventada pelo Uruguai”.  A iniciativa tem como objetivo eliminar o mercado ilegal da droga.

No entanto, o juiz disse a Rádio Universal que “não foi realmente explicado a população o que se quer fazer” com o projeto de lei. O próprio presidente uruguaio, José Mujica, ordenou que a proposta seja explicada a todo o país para obter mais apoio.

O Presidente do Supremo Tribunal sugeriu que o Estado entregue maconha gratuitamente para viciados em crack, “para permitir que larguem o vício, ou pelo menos lutem contra isso.”

As declarações se referem aos possíveis usos terapêuticos da cannabis em períodos de abstinência. Segundo Ruibal Pino, “é essencial que o viciado seja registrado e acompanhado por um médico”  para que estado lhe entregue a maconha.”
O juiz sugeriu que “não se fume maconha”. Ele disse que “há outras maneiras de consumá-la do que não em forma de cigarro, desde receitas  incensos”. (pulsar)

Leia essa nota em espanhol

Faça um comentário

+ 38 = 40