Povos indígenas da Bahia vão a Brasília exigir saúde de qualidade


(foto: .yvyrupa.org.br)

(foto: .yvyrupa.org.br)

Mais de 100 indígenas dos povos Pataxó, Pataxó Hã Hã Hãe, Tupinambá e Tumbalalá, da Bahia, estão em Brasília desde segunda-feira (6) para uma série de reivindicações junto aos Três Poderes. Nessa terça-feira (7), estiveram na Fundação Nacional do Índio (Funai) e na Procuradoria Geral da República (PGR), onde expuseram a vulnerabilidade a que estão submetidos os povos indígenas naquele estado.

Atendidos por Luciano Maia, Subprocurador-Geral da República e membro da sexta Câmara de Coordenação e Revisão, os indígenas reiteraram à PGR denúncias contra a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que não fornece transporte às aldeias há três meses, além da carência de profissionais e medicamentos.

Os indígenas destacaram que as denúncias vêm sendo encaminhadas ao Ministério Público Federal (MPF) na Bahia, que adota uma postura omissa em relação às dificuldades dos povos. A liderança Agnaldo Pataxó Hã Hã Hãe ressaltou que a função do MPF é zelar pelo direito indígena e isto não tem ocorrido. Pataxó afirmou que pessoas estão morrendo nas aldeias pela falta de assistência à saúde

Os indígenas protocolaram na Procuradoria Geral da República documentos com as denúncias, pedindo que o órgão não permita omissões quanto às violações dos direitos indígenas.

Na manhã dessa quarta-feira (8), o grupo com cerca de 100 pessoas fechou durante duas horas três pistas do Eixo Monumental, desde a Catedral até a Praça dos Três Poderes. A Polícia acompanhou a delegação, que fez ainda um ato em frente ao Ministério da Saúde. Durante a tarde os indígenas estiveram no Congresso Nacional, em visita aos gabinetes, e em reuniões nos Ministérios da Educação e da Defesa. O grupo permanece em Brasília até sexta-feira (10). (pulsar/ cimi)

Faça um comentário

51 − 45 =