PF conclui que Temer comprou o silêncio de Eduardo Cunha


Michel Temer (foto: Lula Marques)

Michel Temer (foto: Lula Marques)

A Polícia Federal responsabilizou o presidente Michel Temer pelo crime de obstrução de justiça. O relatório da Operação Cui Bono, que tem como alvo desvios na Caixa Econômica Federal, afirma que o presidente tentou comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em diálogo com o dono da JBS, Joesley Batista. No entanto, protegido pelo foro privilegiado, Temer é apenas citado no texto. A PF terá de aguardar o fim do mandato presidencial para tentar oferecer denúncia conta o emedebista.

Entre os indiciados estão o dono da Gol, Henrique Constantino, o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

O relatório da Polícia Federal conclui que “foram verificados indícios suficientes de materialidade e autoria atribuível a Michel Miguel Elias Temer Lulia, Presidente da República no delito previsto no Artigo 2.º, inciso 1, da 12.850/13, por embaraçar investigação de infração penal praticada por organização criminosa”.

O texto da Polícia Federal expressa o crime do presidente da República ao deixar de levar às autoridades competentes o diálogo travado com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu, no dia 7 de março de 2017. Na ocasião, Temer soltou a famosa frase “Tem que manter isso, viu” depois de ouvir de Batista a oferta de pagamento para manter calado o preso Eduardo Cunha.

Em delação premiada, Joesley declarou ter feito o pagamento de cinco milhões de reais pelo silêncio de Eduardo Cunha. (pulsar/portal fórum)

Faça um comentário

+ 64 = 70