Pesquisa mostra indígenas no Distrito Federal em desvantagem na renda e nos estudos


(foto: vermelho.org)

(foto: vermelho.org)

Indígenas que vivem no Distrito Federal têm menor renda e menor nível educacional que o restante da população, segundo estudo inédito da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

Os indígenas habitam o Planalto Central há pelo menos 8 mil anos. Mesmo assim, não existem terras indígenas demarcadas no DF. Isso dificulta tanto a coleta de dados quanto o atendimento à população originária.

Atualmente, segundo o estudo População indígena – Um Primeiro Olhar sobre o Fenômeno do Índio Urbano na Área Metropolitana de Brasília, com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 6 mil 128 indígenas moram no Distrito Federal, o equivalente a 0,24 por cento desta população no Brasil.

A pesquisa mostra que os indígenas têm renda inferior ao restante da população local. Mais da metade declararam receber, individualmente, mais de um a três salários mínimos mensais; 24,8 por cento recebem até um salário mínimo. Apenas 4,7 por cento deste grupo têm rendimento superior a cinco salários mínimos.

Os dados são de 2013, da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios, e mostram que, a população indígena é também proporcionalmente a maior beneficiária do Bolsa Família, programa de transferência de renda do governo federal, com 15,2 por cento de sua população coberta, superando a negra, da qual 12,6 por cento usufruem dos benefícios. De acordo com o estudo, a população negra é conhecida por raramente superar os indicadores da população autodeclarada branca ou amarela.

O documento destaca a escolarização como um fator determinante da situação socioeconômica. Entre os indígenas do DF, a proporção de pessoas de 15 anos ou mais não alfabetizadas é superior à de quaisquer outros grupos étnicos, ficando em 5,3 por cento. A população negra soma 4,3 por cento de analfabetos, enquanto a não negra tem a menor taxa, de 2,4 por cento. (pulsar)

*Informações Agência Brasil

Faça um comentário

64 + = 65