Pesquisa aponta série de violações cometidas por programas ‘policialescos’


(charge: Vitor Teixeira)

(charge: Vitor Teixeira)

A legitimação na barbárie em rede aberta de rádio e televisão. É isso que fazem os ‘programas policialescos’ que cada vez ocupam mais espaço na grade de programação das emissoras brasileiras. Apesar de violar cotidianamente direitos humanos garantidos pela Constituição, o fenômeno, iniciado na década de 90, tornou-se um modelo de negócio lucrativos para as empresas de comunicação.

Com o intuito de alertar a sociedade civil e denunciar a série de abusos e infrações cometidos por programas policiais, a ANDI –Comunicação e Direitos em parceria com o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social e a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC/MPF) lançou no  mês de junho o guia de monitoramento Violações de direitos na mídia brasileira I.

A publicação revelou que as irregularidades cometidas por estes programas extrapolam o Código de Ética dos Jornalistas e até mesmo a Constituição brasileira. Segundo o guia, entre as principais violações cometidas: estão o desrespeito à presunção de inocência, a incitação ao crime (como a ação de justiceiros), a exposição indevida de pessoas e famílias, a identificação de adolescentes em conflito com a lei e o discurso de ódio e preconceito.

Em entrevista à Pulsar Brasil, a gerente do núcleo de qualificação de mídia da ANDI, Suzana Varjão, explicou o funcionamento do guia. De acordo com ela, a ferramenta consiste em comparar as narrativas destes programas com a legislação vigente, identificando se houve ou não violação de direito.

Suzana afirma ainda que tais programas agem bem distantes dos padrões éticos do Jornalismo e que a construção do discurso em defesa da pena de morte e da redução da maioridade penal foi negligenciada durante anos pela sociedade civil. Para a integrante da ANDI, a pesquisa aponta a necessidade urgente de se rever o processo de regulação da mídia no Brasil que desrespeita a lei, atinge os pilares da democracia e permanece intocável. (pulsar)

Audios:

Faça um comentário

21 − 13 =