Para presidenta da ANPEd, reforma do Ensino Médio pode intensificar desigualdade social no Brasil


educação

Ensino Médio em jogo. (foto: reprodução)

A reforma do Ensino Médio foi sancionada na última quinta-feira (16) pelo presidente em exercício Michel Temer. O texto recebeu duras criticas de especialistas no setor de Educação devido a falta de diálogo com professores e estudantes e imposição de um modelo, que segundo profissionais da área, pode acentuar a desigualdade social no Brasil.

Para entender as implicações por trás da reforma do Ensino Médio, a Pulsar Brasil conversou com a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e atual presidenta da Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Educação (ANPEd), Andrea Gouveia.

Uma das principais preocupações apresentadas pela pesquisadora é com relação ao ensino noturno do país. De acordo com Gouveia, a reforma não contempla boa parte dos estudantes brasileiros que necessita trabalhar para se manter. Além disso, a presidenta da ANPEd ressalta que o novo Ensino Médio irá segmentar pelo perfil socioeconômico a trajetória do jovem na escola, uma vez que o leque de opções ofertadas para o jovem que está inserido no mercado de trabalho será menor do que para aquele que pode se dedicar ao estudo integral.

O governo pautou a reforma como um instrumento que irá reduzir a evasão escolar. A nova legislação prevê que o currículo seja 60 por cento preenchido pela Base Nacional Comum (BNCC) e os 40 por cento restantes sejam destinados aos itinerários formativos, ou seja, o estudante poderá escolher entre  cinco áreas de estudo: linguagens e suas tecnologias, matemática, ciências humanas e sociais aplicadas e formação técnica profissional.

Segundo a presidenta da ANPEd, associar a educação integral ao combate da evasão escolar é um erro. Gouveia destaca que se a intenção fosse incentivar a permanência dos alunos nas escolas, o governo deveria oferecer condições para que o estudante não precise deixar de estudar para trabalhar e não é isto que está previsto no texto aprovado.

Apesar das tentativas de diálogo com deputados e representantes do executivo, das petições e ocupações das escolas não foi possível reverter a reforma do Ensino Médio. O próximo passo do movimento que privilegia a democratização de acesso da Educação Básica será mobilizar a opinião pública e os espaços de discussão com as redes de ensino para tentar evitar que o curso da reforma seja o de acentuar ainda mais a desigualdade social do Brasil. (pulsar)

Audios:

Um comentário

  1. Lucio says:

    Uma das coisas que me incomodava na Dilma, era este “presidenta”. Pode ser correto, mas os costumes contam, não falamos estudanta, gerenta, ausenta, águas correntas, apesar de dizermos águas barrentas.

Faça um comentário

− 2 = 6