Para Frei Beto renúncia do Papa não mudará postura conservadora da Igreja Católica


Teólogo Frei Beto acredita que renúncia do Papa não mudará perfil conservador da Igreja (foto: Alessandro Bianchi/Reuters)

Na avaliação do teólogo e escritor Frei Beto, a saída do papa Bento XVI, anunciada na última segunda-feira (11) e a eleição de seu sucessor não devem apontar para mudanças significativas na postura conservadora da Igreja Católica. De acordo com ele, Bento XVI não abandonará o Vaticano após a eleição do novo papa em meados de março.

No entanto, na opinião do professor Jorge Claudio Ribeiro, do Departamento de Ciências da Religião da PUC de São Paulo, as mudanças são uma questão de sobrevivência para a Igreja Católica. Segundo ele, se a igreja não mudar, vai perder cada vez mais fiéis.

Jorge Ribeiro ainda aponta que mais importante do que se o papa será negro ou branco, é o fato de ser alguém que tenha um olhar atento e amoroso para as pessoas. Para o professor “não tem cabimento um papa reprovar a homossexualidade nos dias de hoje”.

Frei Beto acredita que o conservadorismo, uma das marcas de Bento XVI, também será mantido na Igreja. Para ele não haverá mudanças em questões como celibato, participação das mulheres na Igreja, reconhecimento do casamento entre homossexuais, por exemplo. Tudo isso porque, segundo ele, o papa renuncia, mas manterá o poder.

Frei Betto, também vê fortes motivações políticas para a renúncia de Bento XVI, além do estado de saúde e idade avançada. Ele aponta para cinco fatores: os casos de pedofilia na Igreja, a corrupção no banco do Vaticano, o vazamento de documentos sigilosos, a traição do mordomo e o desgaste da Igreja Católica na Europa. (pulsar/brasilatual)

Faça um comentário

− 3 = 5