Operação policial no Rio prende suspeitos do assassinato de Marielle Franco


(imagem: reprodução)

Uma operação policial no Rio de Janeiro realizou na manhã desta terça-feira (22) a prisão de ao menos cinco suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de Anderson Gomes, que dirigia o carro em que ambos foram emboscados, em março do ano passado. De acordo com o jornal O Globo, os presos são integrantes da milícia mais perigosa e antiga do estado, a chamada Escritório do Crime.

A Justiça expediu 13 mandados de prisão preventiva contra a organização criminosa. Os principais alvos da operação são o major da Polícia Militar Ronald Paulo Alves Pereira, o ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras; e o subtenente reformado da PM Maurício Silvada Costa, o Maurição.

A ação foi desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), com o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil.

Apesar do objetivo da ação do MP-RJ seja atacar a milícia que explora o ramo imobiliário ilegal, em Rio das Pedras, com ações violentas e assassinatos, há indícios de que dois dos alvos de prisão comandem o Escritório do Crime, especializado em assassinatos por encomenda. O jornal aponta que os principais clientes do grupo de matadores profissionais são contraventores e políticos.

A Operação Os Intocáveis é resultado de seis meses de investigação conduzida pelo Gaeco e pela 23ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal. A denúncia, com os pedidos de prisão, busca e apreensão, foi distribuída para o 4º Tribunal do Júri da Capital.

O Intercept Brasil teve acesso ao inquérito que a Justiça proibiu que a Rede Globo divulgasse. Nele, ao menos seis testemunhas citam um policial, ex-capitão do Bope, como assassino da vereadora e do motorista.

O grupo paramilitar, na qual o policial participa, tem ao menos outros dois ex-caveiras que desvirtuaram o aprendizado em troca de dinheiro. Um deles é também ex-oficial, parceiro dos tempos de academia, conforme o inquérito da Polícia Civil. Ambos tiveram participação no assassinato de Marielle, de acordo com o inquérito.

Principais alvos da operação, Adriano Magalhães da Nóbrega e Ronald Paulo Alves Pereira, foram homenageados, em 2003 e 2004, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) por indicação do deputado estadual Flávio Bolsonaro. O parlamentar sempre teve ligação estreita com policiais militares.

Adriano chegou a receber a medalha Tiradentes – a mais alta honraria do Legislativo fluminense. Já Ronald ganhou a moção honrosa quando já era investigado como um dos autores de uma chacina de cinco jovens na antiga boate Via Show, em 2003, na Baixada Fluminense. (pulsar/rba)

Faça um comentário

83 − = 79