Obesidade cresce entre usuários de planos de saúde, diz pesquisa


Apesar de terem se tornado mais frequentes o consumo de frutas e hortaliças e a prática de atividade física, pesquisa  mostra aumento da obesidade e sobrepeso entre 208 e 2016 (foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Apesar de terem se tornado mais frequentes o consumo de frutas e hortaliças e a prática de atividade física, pesquisa mostra aumento da obesidade e sobrepeso entre 208 e 2016 (foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Uma pesquisa com 53 mil usuários de planos de saúde de todo o Brasil aponta aumento da obesidade e do sobrepeso entre 2008 e 2016, apesar de terem se tornado mais frequentes o consumo de frutas e hortaliças e a prática de atividade física.

Os dados foram divulgados hoje (15) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e fazem parte da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). Foram entrevistados por telefone cerca de 20 mil homens e 33 mil mulheres que moram nas 26 capitais estaduais e no Distrito Federal.

Em 2008, 46,5 por cento dos entrevistados apresentavam Índice de Massa Corpórea (IMC) superior a 25 pontos. Essa parcela da população aumentou para 53,7 por cento quando a pesquisa foi repetida no ano passado.

O Índice de Massa Corpórea é um dos parâmetros utilizados pela Organização Mundial da Saúde para identificar se uma pessoa está em um peso correspondente a sua altura. O valor é calculado dividindo o peso da pessoa pela sua altura ao quadrado [multiplicada por ela mesma]. Quando atinge ao menos 30 pontos de IMC, uma pessoa é considerada obesa, o que é o caso de 17,7 por cento dos usuários de planos de saúde.

Em 2008, essa parcela era de 12,5 por cento, e, se comparado o número de obesos daquele ano ao de 2016, é possível constatar que houve um crescimento de 41,6 por cento. (pulsar)

*Informação da Agência Brasil

Faça um comentário

17 − = 11