No Rio de Janeiro, Grito dos Excluídos é marcado por violência policial


Repórter fotográfico Alexandro Auler é atingido por jato de spray de pimenta durante o ato. (foto: reprodução)

Repórter fotográfico Alexandro Auler é atingido por jato de spray de pimenta durante o ato. (foto: reprodução)

No último domingo (7) ocorreu a vigésima edição do ato Grito dos Excluídos. Segundo a organização, o protesto que acontece no dia da Independência do Brasil, contou com 700 pessoas, entre integrantes de sindicatos, associações de moradores, movimentos estudantis e partidos políticos.

Neste ano, o eixo de atuação do Grito no estado do Rio de Janeiro foi a luta pela desmilitarização da polícia e o fim do genocídio do povo negro. Durante a caminhada no Centro da cidade houve confronto entre manifestantes e Policiais Militares (PM) e quatro pessoas foram presas.

As agressões vindas da PM atingiram também profissionais da imprensa. Segundo o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio de Janeiro, um repórter e dois fotógrafos foram alvo de golpes de cassetete e spray de pimenta. De acordo com a entidade, um ofício foi encaminhado à Secretaria Estadual de Segurança Pública para exigir uma apuração a respeito da violência contra os jornalistas durante o ato. (pulsar)

Faça um comentário

+ 36 = 42