No Piauí, seminário sobre convergência midiática discute radiodifusão comunitária e livre


(arte: Amarc Brasil)

(arte: Amarc Brasil)

Nesta sexta-feira (4), começou o  Seminário Regional Norte-Nordeste sobre convergência midiática, realizado pela Associação Mundial de Rádios Comunitárias (AMARC-Brasil), na Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina. A programação vai até o próximo sábado (5) e conta com mesas de debate, oficinas e grupos de trabalho.

Entre os participantes está o radialista Sílvio Bastos, ou Tchimaucu na língua da etnia Tikuna, que atua na Rádio Xibé, nas comunidades indígenas de Tefé, no Amazonas. Sílvio conta que a rádio existe desde 2005 e com a perseguição sofrida na cidade de Tefé foi transferida para as comunidades em 2007. Atualmente a rádio alcança três municípios com sua programação construída coletivamente.

O radialista conta que é a primeira vez que participa de um encontro como esse. Para ele é muito importante perceber que existem outras pessoas fazendo rádios livres e comunitárias no Brasil e o Seminário é um momento de debate para fortalecer este movimento.

Já entre os associados da AMARC Brasil, o Seminário conta com a participação da única Escola Técnica Profissionalizante em Comunicação do Estado do Piauí, a ComRádio, representada por Jessé Barbosa. O objetivo da ComRádio é ampliar o acesso à comunicação como um instrumento de transformação social. Jessé acredita que para isso é preciso utilizar a convergência midiática a favor da transformação de realidades.

Para o jornalista, o Seminário é uma oportunidade de aprofundar o debate sobre convergência midiática e pensar em conjunto como atuar em relação ao tema. Além disso, realizá-lo dentro de uma universidade, com a participação também de futuros profissionais da área, é uma forma de envolver ainda mais pessoas no movimento de rádios comunitárias e pelo direito á comunicação. (pulsar)

Audios:

Faça um comentário

+ 89 = 97