No Ceará, camponeses ocupam Chapada do Apodi para denunciar o agronegócio na região


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

Cerca de mil trabalhadores ligados à movimentos sociais ocupam perímetro irrigado na Chapada do Apodi, em Limoeiro do Norte, no Ceará. O objetivo da ação é denunciar a ofensiva do agronegócio na região, o assentamento de famílias acampadas e exigir o julgamento e condenação dos responsáveis pelo assassinato de trabalhadores rurais.

Os trabalhadores denunciam que dos 10 mil hectares do projeto de irrigação na região, 4 mil estão invadidos por empresas nacionais e transnacionais do agronegócio. Os movimentos sociais exigem a retomada dessas áreas pelas famílias camponesas.

De acordo com o dirigente estadual, Marcelo Matos, o acampamento tem caráter permanente. Os manifestantes aguardam negociação com o Departamento Nacional de obras Contras Secas (Denocs), Secretaria de Desenvolvimento Agrário (S.D.A), Ministério da Integração Nacional e Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A ação, que faz parte da Jornada Nacional de lutas, é realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Cáritas, Movimento 21, Sindicato dos Trabalhadores de Apodi e tem apoio da Universidade Federal do Ceará (UFC), por meio do Núcleo Tramas e da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fafidam. (pulsar/racismoambiental)

Faça um comentário

55 − = 45