Mulheres ocupam as ruas de Brasília em defesa de direitos sociais


Exposição Resgatando a história da Marcha (foto: Denise Viola)

Exposição Resgatando a história da Marcha (foto: Denise Viola)

A Marcha das Margaridas, mobilização de mulheres trabalhadoras rurais, levou nesta quarta-feira (12) milhares de manifestantes à Esplanada dos Ministérios e ao gramado do Congresso Nacional. A marcha, inspirada na sindicalista paraibana Margarida Maria Alves, assassinada há 32 anos, está na quinta edição e saiu às ruas com reivindicações ligadas aos direitos das mulheres, melhorias da vida no campo e fortalecimento da democracia.

De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), organizadora do evento, a meta de reunir 70 mil pessoas na marcha foi atingida. A Polícia Militar do Distrito Federal estimou em 35 mil o número de manifestantes.

A maioria das participantes da marcha está acampada no Estádio Nacional Mané Garrincha, de onde iniciaram o percurso de cerca de cinco quilômetros. A concentração começou cedo e a marcha saiu logo depois das oito da manhã por uma das principais vias de Brasília, o Eixo Monumental.

Com chapéus de palha enfeitados com flores, que já se transformaram em um símbolo da marcha, as trabalhadoras rurais receberam o apoio de organizações urbanas, grandes centrais sindicais e outros movimentos sociais.

Pelo caminho, entre as bandeiras dos estados brasileiros, faixas de entidades e associações que apoiam a marcha, e mensagens contra o racismo, a discriminação de gênero, a violência contra a mulher, além de reivindicações históricas como a defesa da reforma agrária e a proibição do uso de agrotóxicos.

Acompanhe a transmissão ao vivo da Marcha das Margaridas.

*Informações Agência Brasil

Faça um comentário

+ 64 = 70