MST ocupa pela segunda vez latifúndio em Goiás


(foto: MST)

(foto: MST)

Cerca de três mil famílias do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam, pela segunda vez, a Agropecuária Santa Mônica, complexo de fazendas registradas no nome do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) e autodeclaradas improdutivas. As famílias retornaram ao local, na manhã do último domingo (21), após o não cumprimento de acordos firmados com o governo federal na primeira reintegração, no dia 4 de março deste ano.

Entre os acordos estava o assentamento de cerca de mil e 100 famílias em até 60 dias depois de terem sido expulsas do local. Além disso, por ser alvo de diversas denúncias de grilagem, foi definido a realização de um estudo na região sobre a legalidade da posse das terras do senador, que hoje tem cerca de 21 mil hectares.

O estudo não foi realizado e, de acordo com relatos dos acampados, após a saída das famílias, o local foi abandonado e tem sido desmatado ilegalmente.

Em nota, integrantes do MST afirmam que o Acampamento Dom Tomás Balduíno pretende permanecer na área até que o governo destine o complexo latifundiário para fins de reforma agrária. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

8 + 1 =