MST faz ato por morte de trabalhadores e pede o fim da violência


(foto: divulgação mst)

(foto: divulgação mst)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizou no último sábado (9) um ato em Quedas do Iguaçu, no oeste do Paraná, para protestar pelas mortes de dois integrantes do movimento em um confronto com a Polícia Militar (PM) paranaense, na última quinta-feira (7).

Durante o protesto, além de cobrar a punição dos responsáveis pelas mortes, os manifestantes pediram o fim da violência policial contra militantes do MST.

O protesto foi acompanhado por um policiamento reforçado. Cerca de 20 viaturas do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foram deslocadas para o município. A PM não registrou nenhum incidente durante o ato.

Segundo o movimento, cerca de 6 mil pessoas participaram do ato em solidariedade às vítimas, que contou com delegações de militantes do MST de outras regiões do Paraná e de outros estados. Segundo a PM, o número de participantes foi de mil e 500 pessoas.

O ministro da Justiça, Eugênio Aragão, determinou à Polícia Federal a instauração de um inquérito para apurar a morte dos camponeses. A Polícia Civil e a Polícia Militar do Paraná também investigam o caso.

As duas pessoas que morreram são os trabalhadores rurais Vilmar Bordim, de 44 anos, e Leomar Bhorbak, de 25 anos. Ambos eram do Acampamento Dom Tomás Balduíno, localizado na fazenda da empresa de celulose Araupel. Além das mortes, sete pessoas ficaram feridas; cinco já receberam alta do hospital.

Segundo o Instituto Médico-Legal, os corpos das vítimas foram liberados na sexta-feira (8). Bordim foi enterrado no sábado, no município de Três Barras do Paraná. Em Francisco Beltrão, também pela manhã, foi enterrado o corpo de Bhorbak. (pulsar)

*Informações da Agência Brasil 

Faça um comentário

88 − = 82