MPF processa empresas que contaminaram 92 pessoas com agrotóxicos


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

As empresas Aerotex e Syngenta foram denunciadas pelo Ministério Público Federal de Goiás (MPF/GO) por contaminarem 92 pessoas com pulverização aérea irregular. De acordo com a ação, as empresas devem ser condenadas por danos morais coletivos. Foram contaminados alunos, professores e funcionários na Escola Municipal Rural São José do Pontal, localizada no Projeto Assentamento Pontal dos Buritis, no município de Rio Verde.

Segundo o Ministério Público, em maio de 2013, o agrotóxico EngeoTM, de fabricação da Syngenta, foi aplicado pela Aerotex, por via aérea, sobre uma cultura de milho vizinha à escola. De acordo com as investigações, o veneno poderia ser aplicado apenas por via terrestre para aquela cultura, devido aos compostos danosos à saúde. Além disso, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) já havia proibido a aplicação aérea deste produto em milharais desde julho de 2012.

O caso já havia sido objeto de uma Ação Civil Pública proposta pelo procurador da República Wilson Rocha Assis, com o objetivo de garantir atenção integral do poder público à saúde das vítimas contaminadas pela pulverização irregular.

Na ação atual, o procurador da República Lincoln Meneguim, que atualmente está a frente do caso, quer compensar a sociedade e punir as empresas pela irresponsabilidade no uso de produto perigoso, pedindo que a Syngenta e a Aerotex sejam condenadas a pagar indenização de pelo menos 10 milhões de reais, que deverão ser aplicados em ações vinculadas à saúde da população dos municípios da região de Rio Verde. (pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

44 − = 43