Movimentos sociais começam a organizar cursos para debater Plebiscito Constituinte


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

No último sábado (24), mil e 100 pessoas, de aproximadamente oitenta municípios, reuniram-se na Quadra do Sindicato dos Bancários, localizada no centro de São Paulo para o curso de formação do Plebiscito Popular pela Constituinte Soberana e Exclusiva do Sistema Político, denominado Curso dos Mil.

Em todo o Brasil, mais de 400 comitês e milhares de pessoas já aderiram à construção do plebiscito pela reforma política. Organizado por diversas frentes sindicais e populares, o Plebiscito será realizado entre os dias primeiro e sete de setembro. Neste período, toda a população poderá responder à pergunta: “Você é a favor de uma constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?”

Para o deputado federal Renato Simões, do Partido dos Trabalhadores (PT), o Plebiscito servirá justamente para politizar as reivindicações da jornada de junho. Para ele, reivindicações de melhorias na saúde, educação, transporte e contra a corrupção só poderão ter sucesso com uma mudança estrutural no sistema político.

Já o coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, afirmou que o Plebiscito Popular não se restringe apenas à reforma do sistema eleitoral ou melhorias nos canais de democracia representativa. Segundo Bonfim, é essencial a luta pelo fim do sistema privado de campanha, mas a luta estratégica do Plebiscito é aumentar e legitimar os espaços de democracia direta da população.

Esta foi a primeira formação de caráter massivo para o Plebiscito, que ocorrerá entre os dias primeiro e sete de setembro deste ano. Nos próximos meses, a proposta dos organizadores é realizar Cursos dos Mil em todos os estados brasileiros. (pulsar/mst)

Faça um comentário

2 + 8 =