Mais de 150 mil militares e agentes de segurança pública devem atuar na Copa


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

As Forças Armadas brasileiras já deram a largada para a Copa do Mundo. O Ministério da Defesa divulgou que Exército, Marinha e Aeronáutica estão prontos para atuar na segurança do evento, numa operação que tem início esta semana, sem tanques de guerra nem carros blindados, e vai até o dia 18 de julho. Ao todo, serão envolvidos 57 mil militares.

A operação terá como missão prioritária a defesa de áreas tidas como estratégicas para o país, como centrais de energia e torres de transmissão. Na prática, os agentes escalados estão distribuídos entre 35 mil oficiais do Exército, 13 mil da Marinha e nove mil da Aeronáutica. Do total, cerca de 21 mil formarão a chamada tropa de contingência – que vai defender o país nas áreas química, biológica, radiológica, nuclear, cibernética e de contraterrorismo.

Além disso, os militares trabalharão de forma coordenada com os agentes de segurança pública, prontos para lidar com situações extremas, como o desarme de bombas e resposta a artefatos químicos e radiativos. A previsão é de que sejam 100 mil agentes entre policiais federais, policiais rodoviários federais e peritos criminais, com a coordenação do Ministério da Justiça. Outros 20 mil homens vão trabalhar na área de segurança privada, contratada pela Federação Internacional de Futebol (Fifa).

De acordo com informações do Ministério da Defesa, o orçamento é de quase dois bilhões de reais em equipamentos, treinamento de pessoal e infraestrutura, recursos distribuídos entre Defesa e Justiça. (pulsar/rba)

Faça um comentário

7 + = 13