Justiça revoga prisão preventiva de ex-presidente Michel Temer


Justiça manda soltar Temer (foto: Mauro Pimentel/AFP)

O desembargador do Tribunal Regional da 2ª Região (TRF-2) , Antonio Ivan Athié, mandou soltar o ex-presidente Michel Temer e mais seis investigados que estavam detidos desde quinta-feira (21) por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

O próprio TRF-2 havia divulgado na última sexta-feira (22) que o processo seria analisado junto a outros dois desembargadores na próxima quarta-feira (27). No entanto, em matéria divulgada pela BBC, Althié, que é o relator do caso, disse que analisou o processo no fim de semana e “concluiu que as prisões afrontavam garantias constitucionais”.

Além do ex-presidente Michel Temer, preso em São Paulo, o ex-ministro Moreira Franco também foi detido na ocasião. Houve ainda a prisão de outras seis pessoas.

Para a deputada federal Maria do Rosário (PT), a prisão de Temer foi “mais um gesto midiático” da operação. “Essas prisões têm servido muito mais para criar a ideia da operacionalidade, de combate à corrupção entorno da Lava Jato, quando na verdade nós já percebemos que a Lava Jato é um grande instrumento político”, argumentou.

A prisão de Michel Temer ocorreu logo após os procuradores da República em Curitiba, no Paraná, vinculados à força-tarefa da Lava Jato, sofrerem duas derrotas significativas.

Uma é em relação à anulação do acordo que resultaria na criação de um fundo bilionário pelos integrantes da Lava Jato, e outra é sobre a competência para o julgamento de crimes sobre a prática de caixa dois, em que o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que a competência continuaria sob a Justiça Eleitoral em detrimento da Justiça Federal.(pulsar/brasil de fato)

Faça um comentário

62 − = 60