Justiça reconhece assentamento rural no Rio de Janeiro


(foto: mst)

(foto: mst)

Após quatro despejos e três anos de luta, as setenta e oito famílias  do acampamento Osvaldo de Oliveira, em Macaé, no Rio de Janeiro, tiveram o direito à terra conquistado.

No último dia 27 de fevereiro, o Juiz Eduardo Aidê Bueno de Camargo assinou a imissão da posse da Fazenda Bom Jardim, possibilitando o início do processo de assentamento das famílias.

No dia 1° de setembro de 2010, a área já havia sido declarada de interesse social por um decreto assinado pelo ex-presidente Lula, e desde 2012 o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já havia determinado a desapropriação. Desde 2007 não ocorria um assentamento em áreas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado do Rio de Janeiro

As 300 famílias que ocupavam área passaram por quatro despejos muito violentos. Em uma das ações da polícia, os agentes deram trinta minutos para que as famílias saíssem de suas moradias, e em seguida queiram todos os barracos com pertences dentro.

Segundo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a proprietária da terra é a empresa de rádio Campos Difusora Ltda, do norte fluminense. A área é arrendada para José Antonio Barbosa Lemos, sócio-proprietário da mesma empresa (Campos Difusora), também ex-deputado estadual e ex-prefeito de São Francisco de Itabapuana. (pulsar/mst)

Faça um comentário

89 + = 99