Julgamento de Lula pelo TRF4 define o destino político do ex-presidente


Lula em ato na cidade de Porto Alegre um dia antes do julgamento (foto: Ricardo Stuckert)

Lula em ato na cidade de Porto Alegre um dia antes do julgamento (foto: Ricardo Stuckert)

Três desembargadores do Tribunal Federal da quarta Região (TRF-4), em Porto Alegre, estão reunidos nesta quarta-feira para decidir se mantêm ou não a sentença do juiz Sergio Moro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O petista foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de ter recebido um apartamento tríplex no Guarujá (SP) da empreiteira OAS como propina em troca de contratos fraudulentos com a Petrobras. Lula nega a prática de crimes.

A previsão é que o julgamento, que começou às oito e meia, se estenda até a tarde desta quarta-feira. Pode haver, no entanto, pedido de vista de algum dos desembargadores, o que exigirá que seja marcada uma nova data para a conclusão do julgamento.

Se o ex-presidente for condenado, corre o risco de ser barrado da disputa presidencial pela Lei da Ficha Limpa. Mas ainda terá direito a recursos contra essa eventual decisão.

O relator do caso, e primeiro a apresentar seu voto, é o desembargador João Pedro Gebran Neto. Depois dele, será a vez dos colegas Leandro Paulsen, revisor do caso, e Victor Luiz dos Santos Laus.  A quadra do tribunal está isolada por barreiras de segurança para impedir a entrada de manifestantes.

De acordo com a Frente Brasil Popular cerca de 70 mil pessoas estão em Porto Alegre para se manifestar em defesa ao ex-presidente Lula. O julgamento está envolto de polêmicas, principalmente no que tange a parcialidade da Justiça brasileira.

Lula é considerado o maior líder político do país e, segundo as pesquisas eleitorais, lidera o cenário da corrida presidencial de 2018. (pulsar)

*Com informações da BBC

Faça um comentário

88 − = 87