Indústria omite presença de transgênicos em carnes e derivados


(imagem: reprodução)

(imagem: reprodução)

Metade das carnes e derivados contém em sua composição ingredientes transgênicos e o consumidor nem desconfia. É o que sugere uma pesquisa do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dos 496 produtos analisados, quase metade continham pelo menos um ingrediente derivado de soja ou milho.

A maior concentração foi encontrada nos subgrupos de peito de peru e patês. A proteína de soja, detectada em 217 alimentos do grupo, foi o ingrediente mais usado; seguido do amido de milho, que estava em 27 itens.

Do total, 209 alimentos continham ingredientes derivados de soja, 18 deles continham derivados de milho e outros 21, derivados de ambos.

Os ingredientes derivados de milho e soja identificados na tabela dos rótulos destes alimentos são a proteína de soja, o amido de milho, lecitina de soja, óleo de milho, farinha de soja, farinha de milho, óleo de soja, xarope de milho, molho de soja e dextrose de milho.

As lavouras brasileiras de soja e milho são, em sua maioria, geneticamente modificadas. De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), os organismos geneticamente modificados (OGM) estão cada vez mais presentes na alimentação da população mundial, seja como alimento ou como ingrediente de alimentos industrializados.

O Brasil é o segundo país que mais planta transgênicos no mundo e desde 2003 têm aprovado para cultivo e consumo soja, milho, algodão e, mais recentemente, um feijão transgênico, que ainda não está disponível para consumo. Atualmente, 94 por cento da soja, 85 por cento do milho e 73 por cento do algodão cultivados no Brasil são transgênicos.

A pesquisa foi divulgada durante o Agroecologia 2017 – 6º Congresso Latino-Americano de Agroecologia, 10º Congresso Brasileiro de Agroecologia e 5º Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno. (pulsar/rba)

 

Faça um comentário

32 + = 37