Indígenas sofrem terceiro ataque no Mato Grosso do Sul


(foto:sempreviva.files)

(foto:sempreviva.files)

Comunidade indígena Guarani e Kaiwowá de Pyelito Kue, no Mato Grosso do Sul, sofre terceiro ataque de pistoleiros em trinta dias. A ação violenta ocorreu na madrugada do último domingo (06) e deixou uma mulher ferida.

De acordo com informações das lideranças da comunidade, os pistoleiros da fazenda Cachoeira, no município de Iguatemi, estavam armados com revólveres e espingardas de grosso calibre. Os ‘ seguranças’ dispararam tiros contra os barracos de lona, enquanto as famílias Guarani e Kaiowá dormiam.

Durante a fuga, uma indígena, conhecida como Síria Marcos, acabou caindo e machucando gravemente os braços. As lideranças afirmam que estão de posse de cartuchos e de balas encontradas depois do ataque.

As ações criminosas estão sendo praticadas de madrugada e sempre aos finais de semana. A comunidade tem denunciando as violências à Fundação Nacional do Índio (Funai)  e  às Polícias Federal e Civil. No entanto, nenhuma medida protetiva foi adotada no sentido de prevenir e coibir os ataques contra a comunidade indígena

A terra em demarcação está localizada  na Bacia Iguatemipeguá, próxima a reserva Indígena Sassoró. A fazenda Cambará, que foi retomada em fevereiro pelos indígenas e onde atualmente vivem, é apenas uma das várias propriedades incidentes sobre a área identificada como de ocupação indígena. (pulsar/cimi)

Faça um comentário

16 + = 17