Indígenas Munduruku defendem autodemarcação


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

Como estratégia para sua luta, indígenas da etnia Munduruku, do Pará, decidiram optar pela auto-demarcação de suas terras em outubro de 2014, após esperarem por sete anos por uma resposta da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Em entrevista produzida pelo professor Alexandre Ikopy, da Aldeia do Mangue, o presidente da Associação Pahyhy’p, Roseninho Saw Munduruku, explicou que a escolha pela auto-demarcação da Terra Indígena Sawré Muybu, território que fica no caminho da hidrelétrica São Luis dos Tapajós, se deu após a imensa demora do governo em reconhecer o território histórico Munduruku, mesmo após a elaboração de um relatório antropológico, pronto em 2013, que confirma a relação ancestral dos indígenas com a terra,para que fosse dado início à demarcação.

Dos dia 22 a 26 de setembro de 2015 indígenas Mundurukus se reuniram no Alto Tapajós no estado do Pará para um encontro onde discutiram os impactos dos mega-projetos para os indígenas e a estratégia da autodemarcação. Nessa entrevista o presidente da Associação Pahyhy’p  Rozeni Saw Munduruku também fala sobre o encontro.

Audios:

Faça um comentário

− 4 = 1