Governo Temer retira verba de área social para publicidade


Michel Temer (foto: Alan Santos)

Michel Temer (foto: Alan Santos)

O governo federal deixará de investir verbas em áreas sociais para compor os gastos com publicidade e comunicação institucional da presidência. No dia 10 de abril, o Ministério do Planejamento publicou a portaria 75 de 2018 retirando cerca de 209 milhões de reais de programas de combate à violência contra a mulher, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), do Sistema Único de Saúde (SUS), e de geração de emprego e renda.

A portaria trata de créditos suplementares, que é quando o governo transfere verba entre os ministérios sem a necessidade da aprovação do Congresso. Para a comunicação institucional da presidência serão encaminhados 203 milhões de reais. Para o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2018, o Congresso aprovou 84 milhões reais dos 287 requeridos pelo governo. Agora, com o crédito suplementar, o Ministério do Planejamento alcança o valor desejado inicialmente.

A abertura de créditos suplementares foi um dos argumentos utilizados pelo Congresso para defender o impeachment de Dilma Rousseff. Em 2016, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, sancionou lei que permite a liberação de créditos sem consulta aos parlamentares.

A mesma manobra foi utilizada para os valores destinados à chamada Publicidade de Utilidade Pública da Presidência da República. A previsão inicial do Projeto de Lei Orçamentária Anual era a de 23 milhões de reais, sendo aprovado pelo Congresso 17 milhões de reais. Com a nova portaria, quase seis milhões de reais a mais irão para a publicidade, alcançado também o valor inicial previsto pelo governo.

As áreas que terão seus recursos suprimidos são: Promoção da Igualdade e Enfrentamento à Violência, da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (21,7 milhões de reais); Reforma Agrária e Governança Fundiária, do INCRA (55 milhões de reais), Fortalecimento do Sistema Único de Saúde (30 milhões de reais), e geração de emprego e renda do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (137,7 milhões de reais).

Segundo levantamento feito pela bancada do Psol, de 2016 para 2017 o governo do presidente Michel Temer dobrou os gastos com as publicidades de utilidade pública. Em 2016 foram gastos ao menos 12 milhões de reais e, em 2017, 26 milhões de reais.

Além da Secretaria de Comunicação, o setor agropecuário também receberá quase oito milhões de reais em créditos suplementares. (pulsar/carta capital)

Faça um comentário

84 + = 85