Ex-presidente da Funai diz que foi demitido por recusar indicações: “CPI da Funai foi política”


Ex-presidente da FUNAI, Antônio Costa (foto: BBC Brasil)

Ex-presidente da Funai, Antônio Costa (foto: BBC Brasil)

A Comissão de Direitos Humanos do Senado ouviu na segunda-feira (26) o ex-presidente da Funai, Antônio Costa. Ele foi convidado para falar sobre a atuação a frente da fundação durante o período que presidiu a autarquia: de janeiro a maio deste ano.

Antônio Costa fez duras críticas ao governo na condução da política indigenista. Falou sobre cortes no orçamento da instituição e voltou a reforçar que enquanto esteve a frente da Funai foi impedido de executar o que estabelece a Constituição em relação aos povos indígenas.

O ex-gestor voltou a denunciar que foi exonerado do cargo ao se recusar em contratar pessoas por indicação política sem qualificação técnica para ocupar cargos na autarquia, alegando interferência política na administração.

Antônio Costa criticou ainda o resultado da CPI da Funai, ao que chamou de CPI política.

O senador Paulo Paim, que integra a Comissão de Direitos Humanos, criticou as interferências de parlamentares na gestão da Funai e alegou que vai levar esta questão a plenário.

A ideia é de que o depoimento de Antônio Costa faça parte de um relatório da comissão em que será relatada a situação atual dos povos indígenas no Brasil, mostrando os problemas enfrentados pelos indígenas que vão desde demarcação de terras a saúde.

Este documento deve ser entregue aos órgãos que tratam da questão indígena como o Ministério da Justiça ao qual a Funai é vinculada. (pulsar)

Faça um comentário

+ 58 = 66