Encontro em defesa da agroecologia reúne 2 mil pessoas em Juazeiro (BA)


(foto: Fabio Caffé)

(foto: Fabio Caffé)

O município baiano de Juazeiro recebe o III Encontro Nacional de Agroecologia (III ENA). Em um campus universitário às margens do rio São Francisco, o velho Chico, o evento reúne até esta segunda-feira (19) cerca de 2 mil pessoas, sendo 70% de agricultores e 50% de mulheres.

Delegações viajaram por até três dias para trocarem sobre como construir e fortalecer uma agricultura que cultive alimentos sem agrotóxicos, com respeito à natureza a às culturas locais. O lema do Encontro também aponta objetivos: “Cuidar da terra, alimentar a saúde, cultivar o futuro”.

Um espaço para o debate “juventude e agroecologia” juntou 150 jovens de diferentes realidades, tanto do campo como da cidade.Betsaida de Souza, 25 anos, falou da importância de valorizar sua identidade de quebradeira de coco e sobra as imposições do agronegócio, arrancando aplausos. A integrante da Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão (Assema) destacou ainda que “o país não tem uma política de juventude no campo”.

Já a gaúcha Luiza Bassanesi, de 20 anos, faz parte da Rede de Grupos de Agroecologia (Rega) e se anima com cultivos feitos em espaços públicos da cidade, como praças e canteiros, ou até mesmo dentro de casa em vasos de planta. A jovem aponta que essa é uma forma de colocar em prática a “filosofia agroecológica” e que tem aprendido muito com os jovens rurais.

Além de denunciar as injustiças ambientais e sociais promovidas pelo agronegócio, o III Ena defende a agroecologia como uma alternativa de agricultura viável e necessária. O evento teve início na sexta-feira (19) e acontece na Universidade Federal do Vale São Francisco (Univasf). É promovido pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), uma rede que reúne organizações e movimentos sociais. (pulsar)

Audios:

Faça um comentário

14 − 12 =