Em meio às remoções, Vila Autódromo usa mapa aéreo como ferramenta de resistência


(foto: reprodução)

(foto: reprodução)

No último dia 12 de setembro, moradores da Vila Autódromo se reuniram para conhecer o mapa aéreo de sua comunidade. Composto por 20 fotografias selecionadas a partir de mais de mil imagens capturadas da altura de 200 a 300 metros no dia 15 de agosto, o projeto é uma iniciativa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Em evento realizado com os moradores, o objetivo foi explorar as possíveis utilizações do mapa aéreo e o modo que ele pode beneficiar a Vila Autódromo no intenso processo de transformação e remoções na comunidade localizada ao lado do Parque Olímpico. Entre as possibilidades estão o uso das fotografias na Justiça, na defesa dos direitos de moradia e do direito à cidade.

O mapa aéreo provocou um diálogo entre os moradores restantes da Vila Autódromo, abrindo um espaço para as pessoas falarem e partilharem suas histórias. Muitos relembraram as construções, as casas e eventos diários, enquanto outros imaginavam o que poderia ter sido. O evento foi concluído com a ideia de que o mapa pode ser usado para criar uma comunidade “imaginária”, e também algo que as crianças pudessem participar e ser um símbolo global da união da comunidade.

prefeito Eduardo Paes confirmou em várias ocasiões que aqueles que desejassem poderiam ficar, e a parte central da comunidade não está marcada para a remoção. Pelo menos 30 famílias resistem e estão decididas a permanecer, independentemente das circunstâncias ou indenizações, insistindo que a prefeitura cumpra sua promessa. (pulsar)

*Com informações do Rio on Watch e Vila Autódromo

Faça um comentário

51 − 46 =