Em dois anos foram feitas 37 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes


(imagem: reprodução)

(imagem: reprodução)

A prevenção é a maior arma na luta contra a exploração sexual sofrida por crianças e adolescentes. Mas denunciar também é necessário. Por isso, o 18 de maio foi instituído nacionalmente para nos lembrar da importância de mobilizar a sociedade contra esse tipo de violência. Nesta data, em 1973, uma menina de oito anos, de Vitória, no Espírito Santo, foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada.

No período entre 2015 e 2016, foram registradas 37 mil denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes, na faixa etária entre menos de um mês e 18 anos. Das vítimas, 67,69 por cento são meninas, enquanto 16,52 por cento são meninos.

Entre as denúncias, 72 por cento foram de abuso sexual e 20 por cento de exploração sexual. Violações como pornografia infantil, divulgação de conteúdo por meio de celulares, tentativa do adulto para conquistar a confiança da vítima, exploração sexual no turismo e estupro, também fazem parte do levantamento.

Dados como esses, divulgados pela Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente evidenciam a importância de combater essa realidade.

Para marcar a data, a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, em parceria com o Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, realizará uma série de ações, como campanhas e seminários, ressaltando a importância de compor uma rede de proteção e da garantia de direitos da criança e do adolescente. (pulsar)

*Com informações da Radioagência Nacional

Faça um comentário

41 − = 32