Em Curitiba, movimentos sociais protestam contra aumento nas contas de luz


(foto: Joka Madruga)

(foto: Joka Madruga)

Nesta terça-feira (24), aproximadamente 300 pessoas protestaram em Curitiba, contra o reajuste de 33,5% nas tarifas de energia elétrica para mais de quatro milhões de consumidores, distribuídos em 395 municípios paranaenses. No mesmo dia, o aumento nas contas de luz foi autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), como resposta ao requerimento feito há cerca de um mês pela Companhia Paranaense de Energia (COPEL).

O protesto se concentrou em frente à COPEL, onde uma comitiva dos movimentos sociais se reunia com representantes da estatal para cobrar o cancelamento imediato dos aumentos nas tarifas, que já estão entre as mais caras do mundo. De acordo com Robson Formica, coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o aumento é uma medida política, que tem como responsável o governo estadual do PSDB, controlador da COPEL.

O MAB, movimentos sociais, sindicatos e cooperativas também cobram medidas emergenciais da COPEL para reparar os danos causados com a abertura das comportas da Usina Hidrelétrica de Salto Caxias, que causou o alagamento de milhares de casas no sudoeste do Paraná.

A COPEL registrou lucro líquido de mais de um bilhão de reais em 2013, um valor 53% maior que em 2012. Neste ano, a Companhia já registrou um lucro líquido de 583 milhões de reais no primeiro trimestre, uma alta de 46,2% em comparação com o mesmo período de 2013. Mesmo diante de tanto lucro, a empresa receberá 33,5% de aumento nas contas de luz. Confira o vídeo do MAB que explica o golpe nas contas de luz. (pulsar/mab)

Faça um comentário

3 + 7 =