Direito à comunicação dos povos tradicionais integra debate em Seminário da Amarc Brasil


(arte: Amarc Brasil)

(arte: Amarc Brasil)

Com o objetivo de compartilhar experiências e promover o debate sobre o futuro das rádios comunitárias em tempos digitais, a Associação Mundial de Rádios Comunitárias (AMARC-Brasil) realiza nos dias 4 e 5 de dezembro, na Universidade Federal do Piauí (UFPI), em Teresina, o Seminário Regional Norte-Nordeste sobre convergência midiática. Entre as participantes do encontro está Mãe Beth de Oxum, integrante da Rádio Amnésia, de Olinda, em Pernambuco.

A Rádio Amnésia é uma experiência coletiva implementada em comunidades urbanas e rurais do Nordeste. Já foi ativada em assentamentos rurais, comunidades indígenas e periferias de grandes cidades em vários estados. A proposta é contribuir para a apropriação das práticas radiofônicas nas comunidades.

Para Mãe Beth, a realização de um seminário para discutir a comunicação é de extrema importância. Para ela, a comunicação no Brasil é monopolizada e tem o poder de pautar o Congresso Nacional. No entanto, não há quem paute a comunicação, que precisa entrar na agenda da sociedade como um todo.

Mãe Beth defende o direito à comunicação para todos os povos, principalmente os tradicionais, que não possuem representação na grande mídia branca e elitizada. Ela acredita que os grandes meios não retratam a cultura, a cor e os sotaques brasileiros e ainda disseminam um discurso de ódio contra os povos tradicionais.

Além de participar da mesa de debate sobre convergência midiática, Mãe Beth ainda leva a cultura pernambucana para o evento com a Sambada Coco de Umbigada. Confira a programação do Seminário. (pulsar)

Audios:

Faça um comentário

36 + = 37